quinta-feira, 11 de maio de 2017

Häxan - A Bruxaria Através dos Tempos (1922)

satanismo, haxan, bruxaria, filmes surreais, filmes perturbadores


Häxan - A Feitiçaria Através dos Tempos é um filme mudo sueco-dinamarquês de 1922, escrito e dirigido por Benjamin Christensen. Baseado parcialmente no estudo de Christensen do Malleus Maleficarum (saiba mais clicando aqui), um guia alemão do século XV para inquisidores, Häxan é um estudo de como a superstição e a incompreensão de doenças e distúrbio mental poderiam levar para a histeria das caças às bruxas. O filme foi feito como um documentário mas contêm sequências dividas em partes, partes essas dramatizadas que são comparáveis para filmes de horror.

Com a recriação meticulosa de Christensen das cenas medievais e o longo período de produção, o filme foi o mais caro filme mudo escandinavo já feito, custando cerca de dois milhões de coroas suecas. Apesar de ganhar aclamação na Dinamarca e Suécia, o filme foi banido nos Estados Unidos e pesadamente censurado em outros países para o que foi considerado na época representações gráficas de tortura, nudez, e perversão sexual.


O enredo divide-se em quatro partes


satanismo, haxan, bruxaria, filmes surreais, filmes perturbadores


Parte 1: Uma dissertação acadêmica sobre as aparições
de demônios e bruxas na cultura primitiva e medieval,
um número de fotografias de estátuas, pinturas, e
xilogravuras são usados como peças demonstrativas.
Em adição, vários modelos em larga escala são
empregados para demonstrar conceitos medievais da
estrutura do sistema solar e a comumente aceita
representação do Inferno.


Parte 2: Uma série de vinhetas teatralmente
demonstrando crenças e superstições medievais
referentes a bruxaria, incluindo Satanás (interpretado
por Christensen mesmo) tentando uma mulher
dormindo longe da cama de seu marido e
aterrorizando um grupo de monges. Também é
mostrado uma mulher comprando uma poção do amor
de uma suposta bruxa, e uma sequência mostrando
uma suposta bruxa sonhando voar através do ar e
atendendo um encontro de bruxas.


Parte 3: Uma longa narrativa quebrada em várias
partes; situada na Idade Média, trata de uma velha
mulher acusada de bruxaria pela família de um
homem morrendo. A narrativa é usada para
demonstrar o tratamento de bruxas suspeitas por
autoridades religiosas da época. A velha mulher, após
ser torturada, admite ter tido envolvimento com
bruxaria, incluindo detalhadas descrições de um
Sabbath de Bruxas, mesmo indo tão longe para
"nomear" outras supostas bruxas, incluindo duas das
mulheres na casa do homem morrendo.
Eventualmente, a esposa do homem morrendo é presa
como uma bruxa quando um dos clérigos acusa ela de
enfeitiçá-lo.


Parte 4: A parte final do filme procura demonstrar
como as superstições dos velhos são melhor
entendidas agora. Christensen procura fazer a
afirmação que a maioria das acusadas de bruxaria
eram possivelmente doentes mentais, e em tempos
modernos, tal comportamento é interpretado como
uma doença. Seu caso gira em torno de vinhetas sobre
uma sonambula e uma cleptomaníaca, a implicação
é a de que estes comportamentos teriam sido
pensados como diabolicamente influenciados em
tempos medievais, enquanto os tempos modernos
reconhece eles como males psicológicos.


Produção


satanismo, haxan, bruxaria, filmes surreais, filmes perturbadores

Após encontrar uma cópia do Malleus Maleficarum em uma livraria de Berlim, Christensen gastou dois anos — de 1919 à 1921 — estudando manuais, ilustrações e tratados sobre bruxas e caça às bruxas.

Ele incluiu uma extensa bibliografia no cartaz original na estreia do filme. O diretor intencionava criar um novo filme inteiramente do que uma adaptação de ficção literária, o mesmo afirmou: "Em princípio eu sou contra essas adaptações; Eu procuro encontrar o caminho adiante para filmes originais."

Christensen obteve financiamento da grande companhia de produção sueca Svensk Filmindustri, preferindo isso aos estúdios de filme locais dinamarqueses, então ele poderia manter completa liberdade artística. Ele usou o dinheiro para
comprar e reformar o estúdio de filme Astra em Hellerup, Dinamarca. Filmando de fevereiro à outubro de 1921. Christensen e o cinematógrafo Johan Ankerstjerne filmavam apenas durante à noite ou em um set fechado para manter o aspecto escuro do filme.

A produção da obra exigiu mais um ano antes do filme estrear, tendo o lançamento adiado para 1922. O custo total para a Svensk Film, incluindo reformar o Astra Film Studio, atingiu entre 1.5 e 2 milhões de coroas, fazendo
Häxan o mais caro filme mudo escandinavo na
história.


Assista o filme legendado logo abaixo:



Nenhum comentário:

Postar um comentário