sexta-feira, 6 de março de 2015

Algumas das formas mais dolorosas de morrer

















A morte é algo inevitável. Mais dias, menos dia, ela chegará a cada um. O que a maioria das pessoas espera é que ela ao menos seja breve e indolor. Mas não é o caso de todos os tipos de mortes.

Algumas são bastante dolorosas e lentas. E, justamente por causa disso, foram usadas como forma de tortura e execução durante alguns períodos da história. Conheça quais são as formas mais dolorosas de morrer.


1. Esfolamento


Sem sombra de dúvidas o esfolamento merece a primeira posição no ranking de mortes dolorosas. Ele foi usado até o século I no Oriente Médio e Europa como forma de punição por crimes religiosos. O esfolamento consistia na retirada da pele de uma pessoa, o que causava um choque circulatório, perda crítica de sangue e outros fluídos corporais, além de infecções ou hipotermia. O tempo estimado até a morte da pessoa esfolada podia variar entre horas e até mesmo dias.



2. Empalamento





















O empalamento também foi outro método de execução utilizado da antiguidade a Idade Média, mas ao contrário do esfolamento, era utilizado para punir crimes contra o estado. O empalamento consistia na introdução de um bastão  de madeira pontudo pelo ânus do condenado. Em alguns casos, a vítima ainda era espetada no chão, onde permanecia até a morte. O bastão impedia a saída de sangue, o que tornava a morte ainda mais agonizante.



3. Estripação

















A estripação consistia em um corte na barriga e a retirada dos órgãos internos um a um. Primeiramente era retirado o intestino grosso, sem seguida o delgado e por fim o fígado. Era uma técnica de execução utilizada na Idade Média e Moderna em países como Japão, Espanha e Inglaterra.



4. Roda da Morte


















A roda da morte era muito usada na Europa durante a Idade Média para combater crimes religiosos e contra o Estado. A vítima era firmemente amarrada pelas mãos e pés a uma roda, enquanto o carrasco utilizava um martelo para esmagar lentamente os ossos dos braços e pernas do condenado.


A intenção era quebrar os ossos sem rasgar a pele ou fazer os membros sangrarem. Quando os ossos do condenado estivessem totalmente quebrados, os membros eram enrolados nas extremidades da rodas e ela era pendurada num poste, onde permanecia até a pessoa morrer.



5. Carbonização




















Durante a Idade Média muitas pessoas, principalmente mulheres, eram condenadas a morrer  na fogueira. Mas ainda hoje a morte por queimadas é comum, não mais por execuções é claro, mas graças a incêndios, acidentes de trânsito e aéreos. Além de casos de assassinato, quando alguém ateia fogo em outra pessoa.

Queimadura é uma das formas mais dolorosas de morrer, as primeiras partes do corpo queimadas pelo calor são os pelos do corpo, como as sobrancelhas e os cabelos.  Em seguida as queimaduras alcançam as vias respiratórias e a garganta.


O contato da pele com o fogo produz uma intensa resposta em todo o sistema nervoso, já que as células da pele estão sendo destruídas, por isso a dor é intensa. Ao mesmo tempo também como resposta ocorre uma inflamação do tecido, mas conforme a pele é destruída a sensibilidade se perde gradualmente e a dor diminui.

Fonte: Fatos Desconhecidos

Esses são apenas alguns exemplos dar formas mais dolorosas de morrer, como sabemos, o ser humano é criativo em todos os termos, até na hora de assassinar alguém.