quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Iara


Deitada sobre a branca areia do igarapé, brincando com os matupiris, que lhe passam sobre o corpo meio oculto pela corrente que se dirige para o igapó, uma linda tapuia canta à sombra dos jauaris, sacudindo os longos e negros cabelos, tão negros como seus grandes olhos.

As flores lilases do mururé formam uma grinalda sobre sua fronde que faz sobressair o sorriso provocador que ondula os lábios finos e rosados.


Canta, cantando o exílio, que os ecos repetem pela floresta, e que, quando chega a noite, ressoam nas águas dos gigante dos rios. 



Cai a noite, as rosas e os jasmins saem dos cornos dourados e se espalham pelo horizonte, e ela canta e canta sempre; porém o moço tapuio que passa não se anima a procurar a fonte do igarapé.

Ela canta e ele ouve; porem, comovido, foge repetindo:

— "É bela, porém é a morte... é a Iara."

Uma vez a piracema arrastou-o para longe, a noite o surpreendeu... o lago é grande, os igarapés se cruzam, ele os segue, ora manejando o apucuitaua com uma mão firme, ora impelindo a montaria, apoiando-se nos troncos das árvores, e assim atravessa a floresta, o igapó e o murizal.


De repente um canto o surpreende, uma cabeça sai fora da água, seu sorriso e sua beleza o ofuscam, ele a contempla, deixa cair o iacumá, e esquece assim também o tejupar; não presta atenção senão ao bater de seu coração, e engolfado em seus pensamentos deixa a montaria ir de bubuia, não despertando senão quando sentiu sobre a fronte a brisa fresca do Amazonas.


Despertou muito tarde, a tristeza apoderou-se da sua alegria, o tejupar faz seu martírio, a família é uma opressão, as águas, só as águas, o chamam, só a solidão dos igarapés o encanta.


"Iara hu picicana!" Foi pegado pela Iara. Todos os dias, quando a aurora com suas vestes roçagantes percorre o nascente, saudada pelos iapis que cantam nas samaumeiras, encontra sempre uma montaria com sua vela escura tinta de muruchi, que se dirige para o igarapé, conduzindo o pescador tapuio desejoso de ouvir o canto do aracuã. Para passar o tempo procura o boiadouro de iurará, porém a sararaca lhe cai da mão e o muirapara se encosta. As horas passam-se entregue aos seus pensares, enquanto a montaria vai de bubuia.


O acarequissaua está branco, porém o aracuã ainda não cantou. A tristeza desaparece; a alegria volta, porque o Sol já se encobre atrás das embaubeiras da longíqua margem do Amazonas; é hora da Iara.


Vai remando docemente; a capiuara que sai da canarana o sobressalta; a jaçanã que voa do periantã lhe dá esperanças, e o pirarucu que sobrenada o engana.


De repente um canto o perturba; é Iara que se queixa da frieza do tapuio.


Deixa cair o remo; Iara apareceu-lhe encantadora como nunca o esteve.


O coração salta-lhe no peito, porém a recomendação de sua mãe veio-lhe na memória: "Taíra, não te deixes seduzir pela Iara, foge de seus braços, ela é munusaua".


O aracuã não cantava mais, e do fundo da floresta saía a risada estrídula do jurutaí.


A noite cobre o espaço, e mais triste do que nunca volta o tapuio em luta com o coração e com os conselhos maternos.


Assim passam-se os dias, já fugindo dos amigos e deixando a pesca em abandono.


Uma vez viram descer uma montaria de bubuia pelo Amazonas, solitária porque o pirassara tinha-se deixado seduzir pelos cantos da Iara. 


Mais tarde apareceu num matupá um teonguera, tendo nos lábios sinais recentes dos beijos da Iara.


Estavam dilacerados pelos dentes das piranhas. 


Fonte: Livro Lendas Brasileiras (Câmara Cascudo) - Norte

Nenhum comentário:

Postar um comentário